São José dos Pinhais

São José dos Pinhais e Curitiba

São José dos Pinhais é um município conexo com Curitiba, tendo a sua população uma forte ligação entre as duas cidades, pois muitos moram em um município e trabalham no outro. O aeroporto internacional Afonso Pena está localizado em São José dos Pinhais, mas é conhecido como aeroporto de Curitiba.

Uma das atrações turísticas importantes para todos e que começa a ser muito divulgado agora são os roteiros turísticos de algumas colônias como a Muricy e a Marcelino com o interessante e bonito Caminho do Vinho.

As colônias de acordo com a secretaria de turismo de São José dos Pinhais:

COLÔNIA MERGULHÃO (Italianos)
Localiza-se aproximadamente a 10 km do centro do município. Acesso pela BR-376 (sentido Santa Catarina), no trevo do Bradesco, seguindo sentido Colônia Murici. Após o frigorifíco, na praça de acesso à Colônia Mergulhão, inicia o “Caminho do Vinho”, percorrendo mais de 6 km pela via principal, antiga Estrada do Mergulhão, somando-se algumas propriedades rurais mais afastadas e casas históricas, também inseridas na rota de turismo rural.
O núcleo de imigrantes italianos que se estabeleceram na Colônia Mergulhão, vindos principalmente do Vêneto e outros locais do Norte da Itália, entre 1870 e 1920. No fim do século XX a Colônia Mergulhão iniciou melhorias na sua infra-estrutura com o Programa “Caminho do Vinho” – Turismo Rural, valorizando a imigração italiana que mantém até hoje suas tradições. Nas cantinas da região são comercializados principalmente vinhos, queijos, salames, verduras, doces, compotas, geléias, conservas, existindo também outros empreendimentos como pesque-pague, áreas para lazer e eventos, cafés coloniais, restaurantes, pousada, casa da cultura entre outros.

COLÔNIA MARCELINO (Ucranianos)
Localiza-se aproximadamente a 30 km do centro do município. Acesso pela BR-376, na 1ª entrada para Volkswagen/Audi (entre o Km 622 e 623) – Campo Largo da Roseira.
Por volta de 1895, estabeleceram-se, na Colônia Marcelino, as primeiras famílias ucranianas, vindas da Colônia Santos Andrade, onde desenvolveram a agricultura, tornando-a grande produtora de batata-salsa, pimentão e trigo.
A colônia é a maior produtora de camomila do Paraná, destacando-se na paisagem e deixando perfume adocicado no ar. A região é também enriquecida pela estocagem de feno, chamado papoã ou meda, comum na Europa e países de clima frio. A religiosidade é expressa na arquitetura, por meio dos ricos detalhes, tanto da Capela São Pedro e São Paulo como da Igreja Ucraniana Santíssima Trindade (única em estilo bizantino no município). A comunidade une-se na procissão de Corpus Christi e em outras celebrações importantes como Páscoa e Natal.

COLÔNIA MURICI (Poloneses)
Localiza-se aproximadamente a 14 km do centro do município, às margens do rio Miringuava, Acesso pela BR-376, no trevo do Bradesco.
Fundada em 1878, é a mais expressiva comunidade de origem polonesa no Brasil. Procedentes da Galícia e da Prússia Oriental (região da Cracóvia), cerca de 60 pessoas estabeleceram-se na Colônia que surgiu na terceira etapa da imigração polonesa do Paraná. Abriga também italianos vindos de Trento. Dedicam-se principalmente ao plantio de hortifrutigranjeiros, criação de aves, bovinos e suínos. Destaca-se a Igreja do Sagrado Coração de Jesus com sua arquitetura e pinturas internas, alguns exemplares das casas de tronco – “Dom” e outras em alvenaria com afrescos em suas paredes, a Casa da Cultura Polonesa (antiga escola) e nos fundos o cemitério, com jazigos dos primeiros moradores da região, além de manter viva as tradições.

CASTELHANOS
Situa-se aproximadamente a 70 km da sede do município. Acesso pela BR-376 (sentido Santa Catarina), entrando à esquerda após o segundo posto da Polícia Federal (Guaratuba), seguindo 17 km por estrada de chão, em meio a mata fechada, até atingir o rio São João. Foi inicialmente colonizada por grupos indígenas, imigrantes ucranianos e poloneses. A maior parte das terras dos Castelhanos (cinco mil alqueires) ficou totalmente abandonada no período de 1890 a 1950, pois os imigrantes partiram em busca de terras mais férteis em outras regiões. Com a 2ª Guerra Mundial, diversas famílias europeias se fixaram na localidade, entre elas húngaros, alemães, ucranianos, poloneses, entre outros, buscando abrigo e tranqüilidade às margens dos rios São João, Arraial e Castelhanos. Na agricultura, a atividade principal é o cultivo da banana, favorecida pelo clima e pelo solo, e em menor escala, mandioca, mimosa e laranja. São comuns pés de abacate, carambola, mamão, goiaba, jabuticaba, condessa e alguns reflorestamentos de palmito. Inserida na Serra do Mar, em meio à Mata Atlântica, Castelhanos oferece flora, fauna, rios e cachoeiras exuberantes.

CAMPINA DO TAQUARAL 
Situa-se aproximadamente a 10 km da sede do município. Acesso pela Avenida Rui Barbosa, sentido Cachoeira, após o Rio Miringuava dobra a esquerda seguindo pela Rua José Zancheta Filho aproximadamente 4km.
Campina do Taquaral, é uma região rural de São José dos Pinhais, faz divisa com a Cachoeira e a Colônia Zacarias, a comunidade conta com natureza relevante em fauna, flora e recursos hídricos, além de atrativos diversos, como vinícolas e cantinas com produtos artesanais, hortifrútis orgânicos e agropecuária, artesanato em palha, olarias, chácaras com infraestrutura para eventos, restaurantes e cafés. A cultura popular bastante peculiar também é marcante.

Fonte: Secretaria Municipal de Indústria,Comercio e Turismo de São José dos Pinhais. (http://www.sjp.pr.gov.br/secretarias/secretaria-industria-comercio-e-turismo/atrativos-culturais-colonias/)